O poder transformador da MATERNIDADE

Minha convidada de hoje não é blogueira, mas escreve como ninguém… Priscila Silva formada em pedagogia e uma grande amiga de longa data, pois nos conhecemos desde a adolescência e hoje ela vai relatar aqui sobre

O poder transformador da MATERNIDADE

Ser mãe era o sonho de nove entre dez meninas no meu período infância-adolescência. Exceto o meu. Quando criança sonhava em trabalhar, ganhar meu próprio dinheiro e estudar. Crescia e ia ouvindo histórias de mães, que discorriam sobre como a maternidade tinha um poder transformador, e que toda mulher, para se realizar plenamente, deveria ter um filho.  Eu, obviamente, discordava de tudo aquilo, achava esse discurso fruto de uma sociedade machista em que ainda estávamos inseridos, em que o papel fundamental da mulher era o da progenitora.

Minha experiência na maternidade aconteceu de forma inesperada, e em um momento absolutamente inadequado para o desenvolvimento de uma gravidez saudável, momento em que passava por problemas sérios e com um lado emocional totalmente abalado.  Mas quando me dei conta, já tinha uma vida crescendo dentro de mim e esse fato eu não poderia mudar. Foi uma fase muito delicada, onde tive que aprender, sozinha, a lidar com todos esses sentimentos e desenvolver dentro de mim um amor materno que eu julgava não existir.

Tudo mudou no momento exato em que pus os olhos na Ana Carolina, quando literalmente ela saiu de dentro de mim, e pude perceber que um ser tão indefeso agora dependia da minha proteção, que parte de mim jamais morreria, porque eu estaria sempre vivendo nela. Imediatamente, um amor inexplicável e maior do que eu supunha passou a existir dentro de mim.

Hoje, quase cinco anos depois, ainda paro extasiada em algumas noites e fico observando-a dormir, e reflito sobre as responsabilidades e maravilhas de ser mãe de um ser tão puro e perfeito. Ainda fico intrigada sobre como pode caber tanto amor dentro de uma só pessoa, e como o tempo passa rápido. Minha Carolzinha está virando uma mocinha já, falante, extrovertida e independente. E, embora nem todos os traços dela sejam meus, eu me reconheço em tantas coisas, e isso é tão incrível.

Tenho pena de quem perde o dia-a-dia de um filho, porque não existe nada mais prazeroso do que observar o crescimento, atuar na formação de uma pessoinha e vê-la adotando valores que você ensina, como a amizade, a não ser egoísta, a compartilhar as coisas, enfim. Educar nunca é uma tarefa fácil. È muito exercício de paciência, é muito coração apertado na hora de dizer um não, é muita lágrima que rola depois que você tem que repreender mais duramente. A responsabilidade de educar é um peso grande sobre os ombros, especialmente quando você não tem com quem dividi-la. Mas diante do sorriso, do abraço, do beijo e do carinho de um filho, todo fardo se torna leve, e a gente conhece o paraíso, e ele vem pra dentro de nós.

Hoje, também sou uma das pessoas que propaga o discurso que eu mesma desdenhava, de que a maternidade realmente tem um poder transformador e é uma experiência que toda mulher deveria passar para entender o amor incondicional em sua essência, amor esse que os homens jamais entenderão plenamente. Ana Carolina é hoje, a pessoa que mais me ensina todos os dias a buscar ser um ser humano melhor, desde que ela chegou em meu mundo.

263245_135723956519453_5094324_n

Priscila Silva, pedagoga, mãe da Ana Carolina de 4 aninhos.

534100_305681789523668_895141532_nCumplicidade entre mãe e filha… NÃO TEM PREÇO!!

8 Comentários

  1. Que lindo esse depoimento! A gente só sabe, só tem noção, do poder de uma criança quando pega/vê/sente. Tudo muda! É mágico mesmo!

    Beijos

  2. Cintia, amiga tão amada, em breve você também entrará nesse mundo cheio de encantos e responsabilidades, e saberá do que estou falando. Te desejo toda felicidade do mundo nessa nova fase! Tb amo você!

  3. Amiga… que bom poder compartilhar essa experiência com outras mães!! Sua ideia foi excelente e sempre que eu puder dar minha singela contribuição, é só dizer!!! Bjo pra você e pro cada dia mais fofo Joseph!!!

  4. Olá Cris, vim retribuir sua visita e me encantei, seu filhote é um doce parabéns !

    Assim que der volto novamente para conhecer mais sobre vocês

    beijos

  5. Que texto lindo, e também é o que acredito. Parabéns pela transformação e pe;a amizade linda que construiu,Priscila. E, Cris, que bela ideia a sua, uma coluna com o pensamento das mães só pode ser muito rica, parabéns e vamos aprender muito por aqui. Bjus Andrea e Lara coisas-da-lara.bogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *