O desapegar na Maternidade

Lá vem a maternidade e suas inúmeras lições, desta vez: O desapegar! Engana-se quem acha que na maternidade tudo está sob o controle. Já escutei muitas coisas, dentre elas, nunca mais ficará sozinha, até que:

Ele alça seu primeiro vôo, precedido do segundo… E o coração tem que ser forte pra deixar ir.

Os sentimentos são um misto! Enquanto o filho simplesmente viaja, descobre novos lugares e vive aventuras.
A cada nova notícia e fotos enviadas a resposta dele pra mim, é o sorriso!

Saudade… Quem sente?

Quem fica!

Pedro e Joseph

A casa silenciosa…

Sem brinquedos espalhados… Sem ter que falar: escova os dente, tira o pijama, faz a tarefa antes de ir brincar… Fecha a geladeira! Escovou os dentes?? Já tomou banho? E a roupa? Colocou no cesto?

E fica um vazio… uma falta do que fazer, logo, para nós mães que reclamamos não ter tempo pra nós mesmas.

Quanto a gente se vê só, não sabe o que fazer.

Mas, aí respiramos fundo e dizemos pra nós mesma: tá tudo certo, estão se divertindo muito! Não há com o que se preocupar!

Com os Dindinhos e o primo

Mãe, Desapega!

Desapega do controle, da presença… Desapega e deixa ir… Sabendo que logo volta! {Mesmo que fique contando os dias… As horas!}
Desapega e diz pra si mesma que é apenas o começo do deixar ir…

Taí mais uma lição da maternidade: ser mais forte na ausência deles.

Respira fundo e termina o livro que começou, e que não consegue se concentrar, pois tão logo, ouve: Mãe!! Assiste o filme que planeja a tempos… Coloca as séries em dia, {será que tem mãe que consegue maratonar?}. Olhe pra si mesma, se descubra como mulher, perceba o que de fato gosta. Retome projetos antigos, que ficaram parados, pois ainda não era o momento, talvez agora seja.

A cada dia que nossos filhos crescem, precisaram menos de nós. E dói dizer isso, ainda mais quando a gente é mãe coruja, que reclama sim, mas, quer ter os filhos sempre por perto. Mas, logo crescem e o chamar: Mãe! diminui e precisamos saber lidar com essa fase também.

E eu sei… não é fácil!

Mas, quem disse que seria? Quem disse que essa tal maternidade nos faria sempre nos redescobrir. E que podemos saber tudo, mas, na verdade, nada sabemos até a próxima fase.

4 Comentários

  1. Que delícia Cris!!!
    As crianças se divertem tanto, sua irmã e seu cunhado são tão cuidadosos, que dá para deixar ir, mesmo com a saudade que transborda…
    Acredito que confiança é tudo nessa hora, e com eles vcs ficam tranquilos.
    Fica aquele silencio e saudades né, mas ao ver as fotos vem o alivio… Estão bem!!!
    Aproveitaram muito, tenho certeza.
    Beijos
    Ju

  2. oi amiga…

    Esse desapegar parece quase impossível, principalmente para as mães que tem uma ligação muito forte com eles. O elo com a barriga não é brinquedo não… é quimica pura rs
    Mas a medida que vão crescendo e passeando, ficando mais na deles, vamos forçosamente nos acostumando (ou não rs)

    Doi muito, vejo isso muito mais hoje com Maria aos 12. A diferença é enorme. O grude, a necessidade da mãe, o querer estar perto toda hora da mamãe, já era… Eles começam a querer viver tudo e mais um pouco, mas a maioria das vezes, sozinhos!

    Amiga, é um processo tudo isso, que a vida , a maternidade vai nos trazendo pouco a pouco pra não sentirmos tanto o baque… E assim, vamos vivendo…

    Joseph ainda tem muito pra viver e se apegar ao seu lado… Aproveita..

    Beijos grandes

    Tê e Maria ♥

  3. Cris, é isso aí. A cada dia um aprendizado, pra eles e pra nós. Eles descobrem também que estão crescendo e podem viver suas vidinhas e estaremos de braços abertos esperando.
    Cuidando do Jardim para as borboletas que quiserem voltar…


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *