INFÂNCIA, INÍCIO DE TUDO (PARTE I) – LIDANDO COM AS EMOÇÕES

Lidando com as emoções das crianças

Sempre que penso na maioria dos problemas humanos a minha volta fico me questionando até que ponto eles poderiam ter sido evitados ou trabalhados nos indivíduos ainda na infância. E essa reflexão me leva até um entendimento já abordado aqui e que sempre concordamos: a nossa responsabilidade social enquanto mães, porque estamos criando seres humanos que não ficarão para sempre em nossos quintais, mas que sairão para o mundo e formarão a sociedade do futuro.

Durante alguns artigos, a sugestão é trocarmos ideias sobre esses problemas de personalidade, que podem ter sido gerados, estimulados ou não trabalhados corretamente nos pequenos e que pode trazer consequências na posteridade.

Dia desses andando em um ônibus, me deparei com uma criança de uns quatro anos chorando copiosamente, e a mãe em desespero mandando que ele se calasse, dizendo que meninos não choram e tentando distraí-lo. Essa cena tão corriqueira e simples me fez refletir durante muitos dias. Ora, quantas vezes nos deparamos com essa expressão, meninos não choram. Quantas vezes, como mães não repetimos essa frase. Normal não é? Será mesmo? Qual o impacto de uma afirmação dessa natureza, e até que ponto ela pode guiar a conduta de uma vida inteira?

Hoje uma das coisas mais comuns que percebo no ser humano é a dificuldade em lidar e de exprimir suas emoções, temos uma gama de adultos reprimidos, sem conseguir dizer o que sentem, que acham que chorar é sinal de fraqueza, principalmente (mas não exclusivamente) do sexo masculino. Vejo muitas vezes essa dificuldade ser confundida com insensibilidade e trazer muitos problemas de relacionamento, e muitas vezes, quem sofre mais é o indivíduo que não consegue se expressar emocionalmente. Não sou nenhuma especialista, apenas uma observadora crítica, gosto de observar gente e é claro que, como mãe, sempre uso essa observação como um auxílio para tentar acertar um pouco mais.

A criança é como uma esponja: absorve informações e reproduz o que vê ao seu redor. Como muitas vezes as pessoas responsáveis por ela não se dão conta de suas angústias, de seus sentimentos, os pequenos não estão preparados emocionalmente para verbalizar o que sentem. Se não prestar a devida atenção aos sentimentos deles vira uma rotina, ao longo do tempo vai criando esse bloqueio emocional. Às vezes, além de não prestarmos atenção, ainda reagimos sufocando a expressão dos seus sentimentos, como o choro (não confundir com a birra), seus medos, suas tristezas (quem disse que criança não fica triste). Incentivar as crianças a falar sobre seus sentimentos é algo que deveria ser praticado desde o momento em que elas conseguem compreender conceitos como alegria, medo, tristeza, raiva, ciúmes. Sentimentos que podem ser facilmente percebidos pelos adultos que as rodeiam, mas que usualmente deixamos passar.

Então, devemos ter consciência de que o que uma criança vive pode não parecer nada para um adulto, mas para ela, em seu universo, é de extrema importância, é real. São esses sentimentos e sensações muitas vezes desprezados por seus responsáveis que farão dela um adulto mais ou menos equilibrado. Portanto, merecem toda a atenção. A criança tem uma capacidade de compreensão muito mais aguçada do que podemos imaginar e, em sua linguagem, devemos estar prontos para uma palavrinha que amo e pratico demasiadamente: o diálogo.

Esteja atenta às reações dos seus filhos, dialogue, não reprima suas emoções, ajude-os a serem adultos bem resolvidos emocionalmente no futuro. Isso começa dentro de casa.

Leia mais aqui:

Beijos e até a próxima,

Priscila Silva.

Blog: Trocando Ideias

Fan Page: https://www.facebook.com/blogtrocandoideias?fref=ts

 

33 Comentários



  1. Amei o post e ele relata muito bem o que vivenciamos diversas vezes! Eu creio que os pais devem confiar mais na percepção de seus filhos e confiar a eles o ensinamento passado, com atenção e carinho conseguimos atravessar essas fases com sabedoria! 🙂

  2. Cada vez que leio um comentário de vocês me sinto mais feliz e com mais vontade de escrever e compartilhar!!

    Obrigada gente! Essa coluna é escrita com muito carinho!! Vou responder, como sempre faço, um a um os comentários viu!!!

    Super beijo!!

  3. Ótima postagem.. Realmente temos que aprender a dar espaço a nossos pequenos pra que eles possam mostrar suas emoçoes,seja ela qual for..

    Beijos

  4. Que belo post amiga … aqui deixo a Luma se expressar como ela quer ..e vou orientando ela quando vejo que passa do ponto.

    ?*´¨)*
    ¸.•*¸.• ?´¨).• ?¨)
    (¸.•´*(¸.•´ Roberta Aquino
    <a href="http://www.talmaetalfilha.blog.br//&quot; Tal Mãe, Tal Filha Blog

  5. Ótimo post, adorei e penso exatamente da mesma forma.
    A Dri sempre se expressa da forma dela e nunca reprimimos os pensamentos dela a não ser que seja algo que tenha que ser corrigido á base de um diálogo que ela possa entender.

    Um bjo
    http://www.amaedadri.com/

  6. Adorei o post Priscila… Penso exatamente assim, a criança pode chorar, pode se chatear, e a gente tem que estar aberta para escutar suas dúvidas, seus anseios e orientar…
    Minha sogra acha por exemplo, que meu filho não pode chorar, que todos a volta precisam fazer a sua vontade….
    Achar que meninos não choram, é outro erro que devemos nos policiar e evitar dizer, pq. todos temos momentos de angustias, e devemos compartilhar com alguém, e não se reprimir, inclusive quando se trata das crianças…
    Eu creio que existem muitos adultos problemáticos, devido ao seu passado, sua falta de compreensão e apoio…
    Eu simplesmente amei seu post, parabéns.
    Mil beijos
    Ju
    http://www.maesemfronteiras.com.br/

  7. Adorei o post!
    as crianças assim como os adultos absorvem tudo e também precisam se expressar, devemos dar liberdade para que elas cresçam e demonstrem seus sentimentos bjo

  8. Super legal o post! Concordo plenamente com o texto e com o comentário da amiga Jamilly, mas é tão dificil aceitar o filho tristinho né… È por isso que é sempre bom ler esses textos, assim sabemos o porque devemos deixar que eles se sintam frustrados, pois tem que aprender a lidar com todas as emoções antes de serem adultos.. Beijos

  9. verdade amiga as crianças são como buchas
    e nos temos que tomar cuidado
    recordo que meu pai sempre me falava
    que chorar era pra fracos
    e isso me marcou muito
    até minha fase adulta
    hoje sei que não devo cometer o mesmo
    erro com minhas pequenas

    linda noite bjs

  10. Olá.

    Está certíssima.
    Temos que deixar as crianças livres para as suas emoções. Não é porque é menino que não pode chorar, por exemplo.

    1. Exatamente!! Fiquei assustada ouvindo a mãe da criança dizer isso, pq pra mim é um conceito que já foi derrubado há muito tempo. Mas não, isso ainda existe, infelimente!!

      Bjs.

  11. Ótimo texto. Adorei.
    Nós pais somos o exemplo em tudo para nossos filhos, às vezes achamos que eles são muito pequenos, mas não, eles entendem e absorvem tudo e isso vai se refletir depois neles.
    Acho que em muitos pais falta paciência para educar e entender os filhos.

    Bjs,
    http://www.soumae.org

    1. Oi Gisele… paciência é uma palavra chave para quase tudo em relção aos filhos não é? Concordo com você, paciência é um artigo muito raro nos pais hoje.

      Obrigada pelo carinho!! Bjs.

  12. Texto maravilhoso e verdadeiro, as crianças precisam ter a liberdade de expressar suas emoções sem ser recriminadas.
    Beijos

    1. Adriana, muito obrigada pelo carinho. Concordo plenamente, afinal, eles são seres humanos dotados de emoções como nós!!

      Bjs.

  13. As emoções dos pequenos é um assunto bem serio, que se não souber lidar, quando pequenos, para eles quando crescerem vao ter dificuldades. muito bom o poster, esclarecedor.

    1. Exato Amanda, eu creio que na infância é o tempo de serem trabalhadas todas essas questões, pois depois terão que enfrentar um mundo onde será exigido deles esse equilíbrio emocional, não é mesmo?

      Obrigada pela sua participação viu!!
      Beijos!!

  14. Esse seu texto amiga me fez lembrar de quando estava gravida. Tinha uma conhecida, muito nova, que engravidou sem querer e achava tudo lindo, mil maravilhas mas nem tinha o que comer. E eu, me sentia angustiada. Sabe porque? O peso da responsabilidade, não só de mãe, mas de pensar em como está o mundo nos dias de hoje!

    Parabéns pelo post =)

    Beijos
    http://meus-sonhos-meus-pesadelos.blogspot.com.br

    1. É verdade Ariane, é mesmo muita responsabilidade porque o mundo não está nada fácil, e devemos estar muito atentos aos nossos filhotes, afinal queremos o melhor pra eles.

      Obrigada pelo carinho!!
      Bjs.

  15. Concordo totalmente, as crianças precisam expressão seus sentimentos, mas muitos pais só aceitam sentimentos de felicidade e o de descontentamento reprimem.

    beijos

    1. Verdade Jamilly, muitos pais não tem paciência para os sentimentos dos filhos, infelizmente!!

      Bjs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*