Alergia a proteína do leite e intolerância à lactose: quais as diferenças

E vamos com postagem Fale com a Nutri Vivian @vivianutri em parceria com a mamãe e amiga Dayane @maesemfiltrorj 

Olá mamães, na última postagem sobre alguns cuidados no preparo da alimentação dos nossos pequenos, como higienização, congelamento e descongelamento dos alimentos.

No artigo de hoje falarei sobre um assunto que deixa muitas mamães confusas, a diferença entre a alergia a proteína do leite de vaca (APLV) e intolerância à lactose. Sabemos que a preocupação é grande, visto que o leite de vaca é um alimento que faz parte do dia – a –dia das nossas crianças, pois estão presentes em inúmeras preparações. O leite de vaca e seus derivados são fontes de proteína (origem animal) vitaminas, minerais, gorduras e carboidratos.

A lactose é conhecida como o açúcar do leite e a sua digestão é realizada por uma enzima chamada lactase, a qual se encontra no intestino. Após a digestão da lactose ocorre a liberação de seus componentes, os quais são absorvidos. A intolerância à lactose nada mais é que a redução da capacidade de digerir a lactose, devido a diminuição da atividade da enzima lactase. Com a presença da lactose não absorvida, ocorre no intestinal um aumento da pressão osmótica, retendo água e aumentando o trânsito intestinal, resultando em fezes amolecidas e diarréia, entre outros sintomas gastrointestinais como flatulências, dor e distensão abdominal.

Nutri, então se meu filho tem intolerância à lactose ele não poderá consumir leite e nem derivados?? Depende. Não há uma quantidade exata de lactose que irá causar sintomas, isso vária de indivíduo para indivíduo, dependendo da dose de lactose consumida e do grau de deficiência de lactase.

Diferente da intolerância à lactose, a APLV é uma resposta imune a proteína do leite, por exemplo, a caseína, e constituiu a alergia alimentar mais frequente em crianças com idade inferior a três anos. Isso acontece porque o sistema imunológico (agentes de defesa do nosso corpo) identifica a proteína do leite como um agente agressor. Os principais sintomas são gastrointestinais (diarréia, vomito, distensão abdominal), urticárias, dermatites e reações respiratórias, como dificuldade respiratória e prurida nasal.  Na APLV é necessária a total exclusão do leite e derivados e MUITA ATENÇÃO AO RÓTULO DOS PRODUTOS, pois uma pequena fração de proteína do leite pode desencadear o processo alérgico.

Na suspeita clinica de APLV, deve instituir-se dieta de eliminação durante um período variável dependendo do quadro clinico e seguida de uma prova de provocação oral (PPO), que irá confirmar ou excluir o diagnostico. Exames complementares como testes cutâneos e IgEs séricas especificas poderão ser necessários.

Enquanto a amamentação, ela pode ser mantida na APLV e intolerância a lactose? Sim. É muito raro ocorrer intolerância à lactose durante o aleitamento materno, pois apesar do leite materno ser rico em lactose ele possui agentes facilitadores que auxiliam sua digestão. No caso de suspeita de APLV, a criança deve continuar com o aleitamento materno e a mãe é quem realiza a dieta de exclusão.

Lembre-se que o acompanhamento do pediatra e nutricionista são de extrema importância no tratamento.

Deixe suas dúvidas nos comentários. Estamos aqui para ajudar, pois tenho certeza que juntas venceremos todos os desafios desse mundo fantástico da maternidade.

Vivian Soares, Nutricionista PhD.

Instagram: @vivianutri

Referências:

  • Ferreira S. et al., Alergia às proteínas do leite de vaca com manifestações gastrointestinais. Revista de pediatria do centro hospitalar do porto, ano 2014, vol XXIII, n.º 2
  • MATHIÚS L. et al., ASPECTOS ATUAIS DA INTOLERÂNCIA À LACTOSE. Revista Odontológica de Araçatuba, v.37, n.1, p. 46-52, Janeiro/Abril, 2016

1 thought on “Alergia a proteína do leite e intolerância à lactose: quais as diferenças”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*